-
Fábio | presidente

CIRCULAR 002/2023 - PISO ENFERMAGEM

  • SITESSCH - Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Chapecó e região -
Postado em 05 de Março de 2015 às 11h16

8 DE MARÇO

SITESSCH - Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Chapecó e região 8 DE MARÇO O feminicídio pode tornar-se crime hediondo    As vésperas do Oito de Março, quando centenas de...

O feminicídio pode tornar-se crime hediondo

   As vésperas do Oito de Março, quando centenas de mulheres se preparam para ir às ruas para lutar contra o machismo e por seus direitos, a câmara dos deputados aprova o projeto de lei que torna o feminicídio, ou seja, o assassinato de mulheres por questões de gênero, crime hediondo.

   Essa é uma importante conquista das mulheres brasileiras, sobretudo porque não foi alcançada facilmente. Nos últimos dez anos cerca de 43,5 mil mulheres foram assassinadas, o que gera uma estatística de 01 mulher assassinada a cada 2 horas. Não por coincidência, o Brasil ocupa a sétima posição em um ranking de 80 países que mais matam mulheres. Somente entre Janeiro e Junho de 2014 foram 49 feminicídios. O texto que já havia sido aprovado no senado e agora segue para sanção presidencial inclui o feminicídio no código penal, o torna agravante de crime de homicídio e prevê pena maior para mortes decorrentes de violência doméstica e para os casos em que a mulher é assassinada estando grávida.

   A matéria também prevê agravo de pena, no caso do crime acontecer na frente dos filhos. Tal medida é fundamental, uma vez que entre os casos de violência doméstica notificados no disque 180, em 2014, 64% foram presenciados pelos filhos os quais, na maioria das vezes, também são vítimas da violência.

   A partir desses dados é possível concluir, entretanto, que ainda precisamos de muitas medidas para garantir de fato a integridade e a vida das mulheres. Entre elas, o investimento necessário para que a rede de assistência e segurança dê conta da demanda. Infelizmente, a Lei Maria da Penha não conseguiu minimizar os índices de violência machista no país, devido a falta de estrutura para sua efetivação.

    Para se ter uma ideia, entre os mais de 5 mil municípios existentes no Brasil apenas 497 têm delegacias de mulheres, sendo que elas não funcionam a noite, nem nos finais de semana e feriados. O número de casas-abrigo é ainda menor, existem apenas 77 em todo o território nacional. Além disso, o orçamento da Secretaria de Políticas para as Mulheres sofreu sucessivos cortes ao longo desses oito anos de promulgação da Lei. Somente para 2015, a previsão é que a SPM sofra um corte de 2,4 milhões mensais em seus recursos.

      Por isso, no Dia Internacional de Luta da Mulher Trabalhadora, é necessário seguir nas ruas para exigir mais investimento nas políticas de combate a violência machista, para que não tenhamos que perder mais mulheres. A punição ao assassino é uma questão de justiça da qual não abrimos mão, porém nós queremos que as mulheres vivam livres da violência seja a física, a sexual, a psicológica, a emocional, a patrimonial e também a que é praticada pelo Estado quando não assegura os nossos direitos.

Veja também

47259801/04/15
Edital Assembleias 302416/02 Confira dia, local e horário da assembleia em sua cidade...

Voltar para Notícias

Uso de Cookies

Nós utilizamos cookies com o objetivo de oferecer a melhor experiência no uso do nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda com os nossos Termos de Uso.